sexta-feira, 30 de abril de 2010

1º de maio


Antes de tudo quero lembrar que faz 16 anos da morte do piloto brasileiro Ayrton Senna, o que , desde então, faz nosso 1º de maio ficar um pouco triste.

Há muito o que se pensar no dia do trabalho, ao menos pensemos nesse dia o que teríamos que pensar em muitos outros. Sobre nossa relação do homem com o trabalho. Como o homem encara o trabalho e como ele se insere na nossa sociedade, neste tempo de consumo tão efêmero, trabalho esporádico, virtual, o que nos move? O que produzimos, ou o que produzimos nos move?
Encarando o trabalho nos deparamos com o que mais tentamos esconder, com fraquezas, humanidade, suar para ganhar o pão, mas também com o que temos mais orgulho, com o fruto do trabalho, com transformação. Assim, o trabalho nos afasta de deus mas nos aproxima dele, em nenhum outro momento somos mais sua imagem e semelhança.

Abaixo, transcrevo trechos de O mito de Sísifo de Albert Camus

(...)O operário de hoje trabalha todos os dias de sua vida nas mesmas tarefas e esse destino não é menos absurdo. Mas ele só é trágico nos raros momentos em que se torna consciente. Sísifo, proletário dos deuses, impotente e revoltado, conhece toda a extensão de sua condição miserável: é nela que ele pensa enquanto desce. A lucidez que devia produzir o seu tormento consome, com a mesma força, sua vitória.(...)
(...)Deixo Sísifo no sopé da montanha! Sempre se reencontra seu fardo. Mas Sísifo ensina a fidelidade superior que nega os deuses e levanta os rochedos. Ele também acha que tudo está bem. Esse universo doravante sem senhor não lhe parece nem estéril nem fútil. Cada um dos grãos dessa pedra, cada clarão mineral dessa montanha cheia de noite, só para ele forma um mundo. A própria luta em direção aos cimos é suficiente para preencher um coração humano. É preciso imaginar Sísifo feliz.


As obras são do pintor mexicano Diego Rivera, "Vendedora de Flores" e detalhe do painel "Detroit Industry"

Apaixone-se!!


Quando a gente se apaixona tudo fica mais lindo, todo mundo sabe, as coisas tem cheiro diferente, gosto diferente, cores mais vivas, tudo fica bem, problemas são suavizados, enfrentados com mais tranquilidade, não sei vocês, mas eu me apaixonei um trilhão de vezes! Nem sempre é fácil, mas sempre é bom.
O bom mesmo é que com o passar do tempo me apaixono por coisas, por músicas, por dias, por plantas, por pessoas, por bichos, por livros, por cidades......por MIM!! E quando a gente se apaixona pela gente é mais legal do que tudo, ficamos confiantes, belos, fortes, saudáveis.
Desejo hoje que todos vocês se apaixonem pelo que quiserem, pelo que puderem, mudem o olhar, mudem o foco, mudem pequenos atos, grandes atos, e deem um passinho praquela vida tão especial, tão amada, que guardam dentro de si como uma paixão enlouquecedora.

Esta música que eu escolhi é para o sorriso secreto que temos e que usamos só quando estamos apaixonados!!

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Poesia Haicai


Alguns poemas haicais pra vocês, um meu


A vocês, eu deixo o sono.
O sonho, não!
Este eu mesmo carrego!
(Leminski)

a estrela cadente
me caiu ainda quente
na palma da mão
(Leminski)

Ao pôr-do-sol
O brilho humilde
Das folhas de capim.
(Leminski)

ROMANCE

E cruzam-se as linhas
no fino tear do destino.
Tuas mãos nas minhas.
(Guilherme de Almeida)

tirado de uma falsa lira de Gonzaga

Quis gravar "Amor"
No tronco de um velho freixo:
"Marília" escrevi.
(Manuel Bandeira)

Um cheirinho de sol
branco
um lençol.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Cult, fake e outros



Sobre o que é bom e ruim vai do gosto de cada um, é como outras coisas que cada um tem o seu, mas, mesmo sabendo que uma coisa é ruim, sabemos quando é boa, explico, sabemos que aquela coisa ruim é boa no que se quer ser, é brega , feia, chata, intragável, ruim de se ouvir, mas é feita de uma forma boa, como calypso, o forró do aviões, o rebolation insuportável, mas que tem as estruturas de marketing, som,imagens, trio bem feitos, pra quem gosta, vai ser prato cheio.
O que me irrita mesmo não são esses, esses dizem a que vieram , o ruim, de verdade, é quando alguém quer ser bom, sem ser bom, quando quer ser cult, atual, moderno e outros adjetivos desse tipo sem ser, sem ter qualidade pra isso, aí é fake total, falso cult, é patético, vamos resumir.
Quer exemplo, pra mim a Stephanie do cross fox é mais cult que o Wagner Moura cantando com uma banda que ele chama de sua mãe. Eu ADORO o cara como ator, acho ele charmoso , talentoso e tal, mas cismei com ele desde aquele Hamlet, me poupe,mas isso é outra estória, a tal banda toca até bem, mas ele não canta, velho!As músicas deles são péssimas, e até homenageando feras como Odair José, ele acaba com a música. Mas ninguém tem coragem de dizer,né, que é o Wagner Moura, ui, ui. Acho que o cara tá deslumbrado, em uma palavra.
Outra, quer safra de cantoras nacionais mais sem graça do que essas de agora. Desafinadas, não vou nem falar, vou ao ponto: não tocam a alma da gente!! E olha que eu me esforço, daí percebi, pra tocar , toca e pronto, sem esforço. Aquela Céu cantando Coração Vagabundo ninguém merece. Como ela consegue destruir uma maravilha de música é que é o mistério.
Cansativo!
Bom, escolhi essa música e um video com a cena cult classic da Uma Thurman em Pulp Fiction. Aí fica fácil, podem dizer, mas não é fácil não, viu. Como eu disse não precisa gostar, mas tem que saber brincar, ou não desce pro play!


segunda-feira, 26 de abril de 2010

Kafka , eu e esperança

Esses dias pra quem sentiu minha falta, não me sentia disposta para escrever, tava meio cansada, meio triste, meio assim, assim. Hoje mesmo estou com febre.
Estava meio George Samsa, o personagem kafkiano, só faltou mesmo me amanhecer metamorfoseada (risos). Gosto desse livro, me identifico com as personagem de Kafka mais do que gostaria.
Li outro dia uma crítica literária sobre a metamorfose e me assustei : como as pessoas conseguem sintetizar tanto um autor e sua obra, descobri-los em cheio? Pra mim, as coisas nestas áreas são mais sentidas do que racionalizadas ( eu que sou tão racional, também).
O que me intriga em Kafka, e o que , em dias assim assim me faz me sentir Samsa, é perder o rumo, questionar os porquês, fugir, fugir, beirar o delírio de tanta solidão, presa em acontecimentos que parecem superpoderosos, sufocantes, paranoicamente ficar só, sem saber o rumo da existência, perder o foco, redemoinho psicológico.

Bom para mim, que diferente de Franz Kafka, encontro SEMPRE, SEMPRE MESMO, esperança. Sempre me levanto, busco, luto, reluto, insisto, me debato, a vida não é maior que a gente. É preciso respeitar a vida, amá-la, amá-la, desejá-la...mesmo que se leve dias e dias brigando com ela. Levante-se , abra seus olhos !!!

Coloquei uma música para essa postagem - Open your eyes - Snow Patrol. Aperte o play e ouça!

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Gêmeos geniais


Mais uma divulgação de artes plásticas


Eu já tinha separado umas imagens de obras dos gêmeos Pandolfo, que gosto muito e descobri que também eles estão em exposição em Brasília , até maio, no CCBB.

Eles usam o grafite como arte e tem obras em diversos países do mundo, de viadutos a castelos.Começam a ser reconhecidos em seu próprio país (outra dia pintaram por cima de um trabalho seu), o que já não era sem tempo. Os Gêmeos, como gostam de ser chamados, são geniais.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Anita e liberdade!!





Adoro quem não desiste de ter liberdade, ainda mais quem tem uma busca incansável, por isso vou falar de Anita Malfatti, uma pintora brasileira , pioneira, que lutou por liberdade a sua vida inteira. No começo do século XX, era mulher, nasceu com uma atrofia no braço direito e era destra, aprendeu a usar a mão esquerda, não seguia a escola clássica de artes plásticas, foi perseguida por isso, juntou-se aos seus defensores na semana de arte moderna, foi cubista, impressionista, mas também, ali, não se sentia livre. Assim, novamente, conseguiu ser atacada por seus pares. Anos depois, após muita luta, saiu-se em uma exposição com a seguinte tirada - tomei a liberdade de pintar por mim mesma.

Pra quem está em Brasília, uma exposição comemorando os 120 anos de Anita ficará na cidade até o dia 25 de abril, no CCBB. Imperdível!!

Aqui postei três quadros : "Autoretrato", "Vaso de Flores" e "Tropical".

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Brasília 50 anos

Minha sincera homenagem a esta cidade que acolhe a todos



Feriado nacional, 21 de abril, nesta quarta de 2010, Brasília faz 50 anos. Pra uma cidade isto não é nada, vejo as pessoas chamando a cidade de cinquentona, coroa enxuta, que nada! Brasília é uma récem- nascida. Ainda tem muito o que aprender, amadurecer, superar. A cidade passa isto, que está em construção, no comecinho. 50 anos é pouco.
O que me surpreendeu em Brasília no curto espaço de tempo que estou aqui foi a beleza da cidade, a riqueza, o poder, uma suntuosidade planejada. Porém, dentre as cidades em que já estive, Brasília é a mais maltratada (eu que pensei que minha Fortaleza o fosse), a de pior trânsito ( como com suas largas avenidas?) e a que mais desrespeita o meio ambiente (como , com tanto verde e tão rica biodiversidade?). Por quê? Não sei, será que por representar algo do que o Brasil se envergonha, ou é mera falta de educação e respeito? A mim, não me parece vergonha, não vejo pessoas envergonhadas do que se passa, anestesiadas, diria. Reconheço nos governantes e nos habitantes daqui (por que não?) um forte sentimento de sugar o que der para sugar, tirar proveito.
É emblemático que completando 50 anos , o Distrito Federal troque quatro vezes de governador em três meses, e tenhamos eleições indiretas! Seria deplorável para qualquer estado, ainda mais para a capital da República. Mais concretamente, terrível que há dois dias da festa não havia iluminação e som para esta, por irregularidade na licitação e que anos antes da Copa, o TCU já tenha encontrado superfaturamento nas obras de reconstrução do estádio Mané Garincha, estádio esse cotado para abrir a Copa no Brasil! Bem que devia, seria bom para o país, mas como, com esta impáfia burra e corrupta?
Acredito que Brasília não é amada como deveria ser. Não é respeitada, querida. As pessoas que vivem aqui não merecem a cidade bela que tem. Terão que mudar muito para merecer. Trânsito, política, história, cidade,democracia, vida, enfim, só se constrói assumindo, vivendo, querendo, amando, respeitando. Responsabilidade de todos e a todo momento.
Brasília merece construir sua identidade com orgulho pois essa identidade se confunde com a resposta da questão do que é ser brasileiro, de brasilidade, país também tão jovem. Histórias que se confundem.
Temos, todavia, muito o que comemorar, temos um povo de coragem, garra, pioneirismo, temos uma cidade tremendamente linda, rica, com gosto doce e perfumado das exóticas frutas e flores do cerrado, e a força deste. Que sua trajetória seja feliz é o que desejo a cidade generosa que é Brasília

terça-feira, 20 de abril de 2010

Cinema leve e divertido

Gente, já perceberam que os filmes que estão em cartaz nesses dias são todos pesados? Outros, bem ruins, o que é pior, e nem uma comediazinha romântica! O mundo tá meio sinistro.Eu que nesses dias queria algo bem levinho,mas divertido,assisti o único que me pareceu assistível - "Uma noite fora de série" e GOSTEI!!
Confesso que não é surpreendente, e não é tão bom assim, mas vale a pena por alguns motivos: é inteligente, tem piadas engraçadíssimas, sequências impagáveis, como a da pole dance , principalmente para os casados! Tem o Mark Wahlberg como um desembaçador de vistas potentíssimo.
Mas o principal é a dupla de atores protagonistas, os formidáveis Steve Carell e Tina Fey, primeira vez juntos,que promessa! Na verdade, foi por eles que entrei no cinema. Principalmente por ela que tem um humor fantástico, no tempo certo, cortante, sarcástico, como em 30 Rockefeller.No filme, claro , suavizada pelo personagem.
No entanto, o que mais gosto em Tina Fey é que ela não se leva a sério. Parece uma chata, metida, sabetudo, mas é engraçada demais pra isso, é puro pastelão!!! Desaponta quem espera um humor cabeça e pode não agradar quem gosta de comédias acéfalas. Enfim, é genial porque é engraçada e é leve, como a música do Jason Mraz que coloquei o aqui para você ouvir!

Lucky Ft. Colbie Caillat – Jason Mraz Music Code

domingo, 18 de abril de 2010

"How deep is the ocean"- Saudades do Ceará

Ontem no final da noite vi o Moreno Veloso cantando uma versão em português de How deep is the ocean , o que me comoveu, um arranjo maravilhoso. Velocissimamente o vídeo já está no you tube. Antes, por volta da meia noite, tínhamos saído de casa para espairecer um pouco, resolvemos tomar um vinhozinho numa pizzaria, dessas bem à moda italiana, uma cantina, com meia luz, poucas pessoas naquela hora, ao contrário dos muitos bares que vimos pelo caminho.
E, eis que dentre as conversas silenciosas e intimistas no recinto surge uma voz (melhor, vozes) de mulher conversando animadamente. Sua primeira frase foi algo sobre quando morava em frente ao Juvenal de Carvalho, o que eu sei se tratar de um colégio de Fortaleza, a conversa ainda passou por Costa Barros, Mucuripe, Barão de Studart e Crateús. Pensei qual a possibilidade de entre tantos bares, restaurantes e pizzarias em Brasília eu tinha de ir parar exatamente ao lado de uma mesa de cearenses, àquela hora. Pensei , também, em como essa semodeza cearense não é mera falta de educação, falar alto ,essas coisas. Não, o cearense não tem medo de falar o que lhe vem à cabeça, é destemido, mas é humilde, ri de si mesmo, melhor dizendo, manga de si mesmo.
Minha saudade do Ceará aumentou imensamente, tão profunda quanto é o mar!!
Alegremente, porque até saudade pro cearense é motivo pra rir, junto com a conta recebemos uns bombons, pelo o que perguntei se eram bombons, e o garçom, respondeu que não, eram balinhas! Risos. Semana passada, fui no aeroporto JK e um senhor que desembarcava recusava um carrinho para bagagens, apontando para sua bolsa e dizendo:-Tá maneira!!! Imediatamente, reconheci-o,cearense!! Só cearense sabe o que é tá maneiro! Mas a melhor, foi que outro dia machuquei meu dedo, e dias depois, na presença de uma amiga, bati com ele de novo, e ela perguntou se eu havia me machucado, no que lhe respondi: -Não, eu magooei. Ora, ela fez ares de quem não havia entendido nada, cearense fosse - ela é mineira - saberia que magoar é machucar o que já estava machucado.
Mas não tem problema, mato a saudade quando puder, fico feliz por lembrar as palavras da moça da cantina, quando já estava indo embora, rindo da vida : - Os cearenses vão dominar o mundo!

sábado, 17 de abril de 2010

Libia no País das Maravilhas


Este bem que podia ser o título deste blog. Muitas vezes me sinto como Alice, perdida em um mundo maluco, enfrentando obstáculos, vivendo desventuras, fugindo de megeras. Mas, se é assim tão difícil, por que a fascinação por Alice no País das Maravilhas? A resposta parece estar nas maravilhas...Ela, ou eu, como queiram, passa de um mundo real e cai num mundo maluco (não seria o contrário?).
Escolhe, sem poder escolher, pois tudo parece tão determinado, e ao mesmo tempo, tão inesperado.
Nesse mundo, ela não contará com mais nada além de si própria, numa descoberta corajosa, que beira a loucura, contraditoriamente, tão sutil e inocente como aceitar um chá! Mais uma vez, uma busca irremediável, sem volta. Porque o tempo, senhores, está ali, apontado pelo coelho branco, tic tac, soberano.
Não é assim, no fundo, que todos nós nos sentimos? Caindo buraco após buraco, em mais e mais mundos. De puro sonho, de éter...a realidade nunca é a mesma e são tantas,tantas: reais, virtuais, oníricas. E como evitar de espiar pelo buraco da fechadura? Loucos são os outros, ou somos nós?
Um sonho que nunca acaba!! Essa é a maravilha da vida.
E estamos todos nele: chapeleiros loucos, Tim Burton, eu, você... como Alices!

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Começando!!


É sempre difícil começar!!Por que será?Na verdade, há tempos quero começar a escrever um blog, deixar que outras pessoas leiam o que escrevo(vai ver que vem daí o medo).
Enfim, essa primeira postagem é para dar boas-vindas a mim e a você , leitor, que tenhamos paciência, coragem de sermos verdadeiros, que é bem isso que falta no mundo hoje- coragem de sermos verdadeiros, opinar a nossa opnião, mesmo não sendo consenso, ou agradável de se ouvir.
Se eu tiver conseguido colar direitinho, coloquei uma imagem do Sr. Brando,uma daquelas dele com o gatinho (qual dos dois é mais gato, sabe-se lá), o que gosto mais nelas, é da maquininha de escrever!! Parece tão fácil,nessa foto, começar a escrever, o conforto, a maquininha , o gatinho,uma perfeita combinação de força e delicadeza.
Bom,lá vamos nós!!