terça-feira, 31 de maio de 2011

outro lado da força

não é sempre que nos disfarçamos para não dar de cara com o que não queremos, ou tememos? não é sempre que matamos nossos monstros, seguimos pelo caminho mais árduo e difícil, como se assim fossêmos recompensados no final? não é sempre que temos que ser boas meninas ou um bom moço?
ao nos esconder assim nos protegemos. entretanto, também nos afastamos do mais animalesco que temos: nossa criatividade!! ela também é negada porque no ímpeto de negar, negamos tudo em nós, nos tornamos autômatos, deixando que a vida nos empurre num sem fim de dias interminavelmente monótonos.
e não é sempre também que quando notamos - no meio da multidão cinza, sem cor, transparente, quase- alguém que ousadamente usa uma capa vermelho-sangue, teimando em aparecer e em tentar, logo nos vem o ímpeto de exterminá-la, só por nos lembrar que existe outro lado? quem é mais monstro? e quando é que a bela se confunde com a fera? quando ela conseguiu sair do labirinto tão metodicamente arquitetado?

nesses dias que temos um filme de chapeuzinho vermelho sendo exibido nos cinemas, quis trazer qualquer coisa desse mito: sombra e luz, coragem e medo... mexe tanto com a gente e é tão arraigadamente afastado e presente ao mesmo tempo, que assistimos ou não, movidos pelo mesmo sentimento (...)  não precisa gostar , se já der para pensar no que não tá lá!!
mais uma imagem de courtney brims- gosto muito dela...

segunda-feira, 23 de maio de 2011

outono e velhos amores

Outono frio, frio em BSB, o vento sopra seco e gelado : outono traz memórias de amores passados, bons amores, boa saudade (que o que não serviu ou nos feriu não é bom nem começar a pensar). Falo mais é de um olhar, de um cheiro, de um gosto, que bem pode ser de um ou de vários; como cicatrizes ou tatoos, uma rica construção de um delicioso ideal, que mais é meu do que nosso. E um resquiciozinho de que poderíamos ter tido tudo...
Música da britânica Adele (só ela, vale um post) e o quadro Boreas de JW Waterhouse - não acredito que nunca coloquei uma pintura dele aqui!

domingo, 8 de maio de 2011

dia das mães 2


No segundo dia das mães deste blog quero desejar felicidades para vocês que são mães e para vocês filhos- não importa se estão perto ou longe, ou se já estão ausentes, uns ou outros.
Penso que a data é mais para lembrarmos desse vínculo com afeto e, só se for possível, celebrarmos.
Fiz um post-cartão, com várias imagens vintage de dia das mães.





 

Ain't no sunshine when he's gone


"Não há sol nem calor quando ela se vai, e aqui não é mais um lar" , versos dessa canção que traduzem o que a gente sente quando quem se ama está longe, longe.
Só desejo que volte logo...

Coloquei uma versão dessa música com Bill Withers,a que gosto mais. Aperte o play!
Depois disso, lembrei da cena do filme 'Um lugar chamado Notting Hill' e quis postar também, aquela que dá uma ideia de passagem das estações.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

coisas perdidas

Já tiveram que procurar coisas perdidas? Vasculhar a casa inteira? E quando essa coisa tá perdida e quanto mais tempo passa, mais essa coisa vai ficando necessária e rara? (Ora essa, pra quem estou a dizer isso, se no mínimo, todos já naufragaram em buscas virtuais...)
Hoje 'caçei' uma coisa que perdi, durante muito tempo. Não encontrei no final ; entretanto, percebi que no meio da procura perdi a noção de tempo, de cansaço e fiquei um tanto obcecada.
Procurar exaure minhas forças, além do que , uma busquinha inicial de um nadinha se multiplica, quando se acha uma coisa, percebe-se ou lembra-se que se perdeu outra: É um caminho de mil ramificações... perdemo-nos nele!
Sei lá, difícil é se encontrar!
Já ouvi uma frase q dizia "Só diante de certas coisas perdidas percebemos que elas ,um dia, foram nossas."
Fotografia de Andrew Brooks.

Gentileza gera gentileza!!