segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

palavras ao vento

Frases que já ouvi sobre o blog, dentre outras : escrever pra quê? escrever pra quem? por que você escreve essas coisas se ninguém as lê? tu acha que alguém lê?tu escreve umas coisas tão bonitas mas eu não entendo nada do que tu diz !
Acredito que não sei bem a resposta, ou melhor, sei, ela está aqui , mas não quer ser dada, reticente.
Muitas vezes estive a um clique de deletar tudo, fechar minha conta, e não fiz, deixei crescer um jardim selvagem - como muitas vezes deixo crescer dentro de mim !!
Não sei se alguém lê, na verdade, acho que ninguém lê, quem ainda lê alguma coisa hoje em dia?? todo dia crio regrinhas gramaticais fofas que invento na hora e ninguém nota...
Minhas palavras estão aqui jogadas como quem grita ao vento, do alto de uma pedra rochosa, de uma linda falésia , numa linda praia. 
Não são mais minhas, não me pertencem mais, são desse universo frenético, infinito, expansível e dessa matrix maluca, são das pessoas que não leem. são minhas também e me ajudam a me enfrentar, a me descobrir, por isso existem : escrevo falando comigo, como uma minerva libia que vai nascendo outra vez, desta vez, de dentro de seu próprio cérebro, rachando-o ao meio, mas não sem dor, mas não sem medo, o resultado pode ser o dom divino da sabedoria, quem sabe, ou não.

Gravura fantástica de John Bauer- The ring, um ilustrador sueco do séc XIX / XX, que tinha o poder de viver num mundo de realismo mágico e contos de fadas.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

desastrada

Hoje estou me sentindo mais desastrada do que o normal, vocês não tem a sensação de que derrubam tudo, de que tropeçam, que derramam o café das xícaras, molham os papéis, são um desastre ambulante? pois é!! eu tenho essa sensação, ela não é constante, mas sempre está à espreita, incômoda, inoportuna como alguém que não foi chamado e não quer ir embora.
Mas o pior, o pior, é quando essa sensação de destrambelhamento acontece no mundo interior, nos pensamentos,nos planejados, quando eu penso em fazer uma coisa e faço exatamente o contrário, ou pior , exatamente o que eu jurara solenemente pra mim mesma que eu não faria, e aí, distraidamente...ops!  pronto, está feito, e não pode ser consertado. assim, eu caio para a quarta divisão! atenção, distraídos e distraídas do mundo: -calculem!! e mais do que isso, executem!! sempre alerta, já ouvi isso em algum lugar, é um lema estressante, mas pode ser válido em algumas situações em que precisamos de vigilância, cautela, oração e paciência, muita paciência.

Imagem do ilustrador Cory Godbey, gryphon.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Dos que não dizem eu te amo

Se ainda é janeiro do ano da graça de 2014 e Janos é o deus que os antigos consagravam neste mês ainda posso olhar para trás um pouquinho e dizer que bom, que bom, que bom!! que 2013 vá e não volte. Nem este bendito blog teve a graça de me ajudar a respirar no meio das ondas gigantes do ano que passou - será que é por que voltei para perto do mar? eu que nasci numa ilha e o medo de maremoto é o primeiro grande de que me lembro- devo avisar que estou mais e mais a divagar, não precisam ler. aconselho,mesmo, a parar a leitura nesse instante porque mais e mais minha escrita nesse blog vai virar uma escrita de um diário para mim mesma,mas além de mim, para alguém que sou eu, que está aqui escrevendo para alguém que está aqui que precisa ler ou ouvir, ou só ver as imagens que escolho, mesmo parecendo aleatórias. insisto, não são imagens aleatórias, são para essa que precisa vê-las, tocá-las e sonhá-las, adormecê-las.então, aos que por algum motivo, quiserem ler o que escrevo agradeço, timidamente, sinto-me envaidecida, digo timidamente, porque sou tímida, os que me conhecem mesmo, sabem que sou! há mais de fantasia de mulher maravilha em nós do que queremos, do que sentimos, do que pensamos! e que esforço tremendo, pra quê mesmo?
Pior do que dizer eu te amo é não dizer, é amar,é não amar, é amar e não dizer, sentir,não querer sentir?

Senti tanta falta daqui que eu não sabia, só quando voltei, percebi, isso é típico de acontecer comigo, lembro das coisas quando sinto e já me chamaram de falsa e bicha má na minha cara por isso, mas é verdade!! tentando uma reconciliação com este singelo blog e quem sabe dando uma chance também para 2013, insisto com uma foto tirada pela bahamense Elena Kalis, porque esse é o ano da insistência!!